Encontre empresas, produtos e entretenimento


Categoria: Projeto Social
Ações de combate à violência contra a mulher lugar da mulher é onde ela quiser
15/04/2020   Projeto Social
 Postado por:   QRevista

Ações de combate à violência contra a mulher são cada vez mais intensas em Itatiba. A conscientização sobre o assunto também vem crescendo e quem está por traz disso são algumas ativistas femininas da região. Leila Bedani, vereadora na cidade e servidora pública há mais de 20 anos, é uma dessas mulheres que está na luta pelo combate à violência contra a mulher, além de autora de vários projetos.

A cada duas horas uma mulher é morta no Brasil*, esse dado alarmante mostra o quanto é importante falar sobre segurança e direitos femininos. Por isso, Itatiba conta com diversas ações de combate à violência contra a mulher.

Uma delas é o Defense, curso básico que ensina autodefesa para mulheres, para ela saberem como agir diante de uma situação de risco e manter a calma caso algo aconteça. Além disso, também são ensinados golpes simples e como devem ser aplicados.

Lembrando que tanto agressões físicas quanto verbais devem ser denunciadas. Marco Antônio da Silva, delegado de polícia que responde pela Delegacia de Defesa da Mulher de Itatiba esclarece como as denúncias devem acontecer. “Em caso de violência doméstica e se o agressor ainda estiver no local, os primeiros a serem acionados devem ser a Guarda Municipal ou a Polícia Militar. Já em casos que o agressor fugiu, a primeira coisa a ser feita é procurar socorro médico e avisar ter sido vítima de violência doméstica”, esclarece Marco Antônio.

Outra ação importante na cidade é a Virada Feminina, que tem como objetivo o empoderamento feminino, palavra tão atual e necessária no contexto sociopolítico pelo qual estamos enfrentando.

Em sua segunda edição, realizada em 2019, teve um considerável aumento tanto de público (mais de 300 pessoas) quanto de voluntários e parceiros em relação à primeira edição. Com variadas atrações, contou com a participação especial de Cidinha Raiz, primeira mulher negra candidata ao Senado brasileiro, acompanhada de empreendedoras negras de São Paulo, participantes da OBME (Organização Brasileira de Mulheres Empresárias) e do Grupo de Trabalho Raça e Etnia.

No carnaval a Campanha Nacional Não é Não também esteve presente em Itatiba. O fato da mulher usar menos roupas intensifica o assédio que já existe no dia a dia e o debate sobre o assunto é essencial., mas atuar na conscientização das mulheres e dos homens. Realizada desde 2018, as voluntárias estiveram presentes nos blocos de carnaval de Itatiba distribuindo cartilhas, adesivos e divulgando os canais de denúncia em casos de violência.

Já os 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres é uma campanha anual e internacional, iniciativa da ONU Mulheres, que começa no dia 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres, e vai até 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos.

No Brasil, a Campanha acontece desde 2003 e, para destacar a dupla discriminação vivida pelas mulheres negras. As atividades aqui começam em 20 de novembro, Dia da Consciência Negra e vão até 10 de dezembro, o Dia Internacional dos Direitos Humanos, passando pelo 6 de dezembro, que é o Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres. Em Itatiba foram realizados, desde 2017, diversos eventos, sempre com o objetivo de conscientizar e orientar a população em relação combate à violência contra a mulher.

“Somente com a discussão desses vários aspectos que a população terá mais consciência da importância desses assuntos. A Delegacia da Mulher trabalha com números e queremos que ele diminua cada vez mais, isso é prioridade”, diz Marco Antônio.

Outras ações que acontecem em Itatiba são o Orange Day, conhecido também pelo Dia Internacional da Não Violência Contra a Mulher, o Agosto Lilás, campanha que visa levar informações e sensibilizar toda a sociedade sobre a Lei Maria da Penha e as formas de combate à violência contra a mulher e o curso Agente Bem Querer Mulher, em prol do atendimento humanizado e qualificado das mulheres vítimas de violência. 

Mais Mulheres na Política

Nos últimos 3 anos, a Vereadora Leila Bedani apresentou, junto de demais vereadores, diversos projetos de lei a favor da mulher. A necessidade em se fazer políticas públicas voltadas para a mulher está cada dia mais evidente em nossa sociedade, pois visam à equidade de gênero, a eliminação de qualquer forma de discriminação e de violência contra a mulher, assegurando-lhe a plenitude de seus direitos, sua participação e integração no desenvolvimento econômico, social, político e cultural. Por isso, diversas leis já foram implantadas e outras aguardam votação.

Leila nunca deixou de fiscalizar e iniciar projetos em prol da população. Na área da mulher,  também cobra por uma rede de atendimento à mulher em situação de violência como a Casa Abrigo, a capacitação dos agentes comunitários, implantação de rede de proteção à mulher, ativação do Conselho Municipal da Mulher, ampliação da Delegacia da Mulher, apoio do Conseg Itatiba, convênio com o Ministério Público, atendimento humanizado das mulheres que sofrem violência, entre outros, como o pedido feito ao Governador do Estado solicitando a vinda da Carreta de Mamografia à Itatiba.

“Precisamos de mais mulheres na política para uma democracia mais inclusiva e efetiva, para que possam lutar, criticar, pautar projetos e defender a classe que sofre com a falta de representatividade”, afirma Leila.

Questionada ainda sobre os resultados que essas ações têm trazido ao município, Leila ressalta. “Várias mulheres resolveram denunciar, procurar ajuda e sair do ciclo de violência, pois muitas perdem sua autoestima, ficam muito fragilizadas perante a sociedade e dependentes do seu parceiro. Através das ações, ajudamos as mulheres a enxergar que existe uma luz no fim do túnel e que é possível se reerguer e ser feliz”. 

Leila também chama atenção para outros tipos de violência. “Através das orientações sobre os tipos de violência, uma amiga descobriu que estava vivendo em um relacionamento abusivo e resolveu procurar ajuda. São através dos resultados, mesmo que pequenos, que nos motivamos a entender que diante das dificuldades, ainda estamos no caminho certo!”, finaliza.

Projeto de Prevenção da Violência Doméstica

Outra mulher ativa na luta contra a violência doméstica, é a Promotora de Justiça do MPSP, Fabíola Sucasas. Ela foi uma das responsáveis pelo Projeto de Prevenção da Violência Doméstica com a Estratégia de Saúde da Família, que virou lei de proteção à mulher em Itatiba. O projeto recebeu menção honrosa do Inovare em 2016 e, em 2019, premiação do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. 

Segundo dados fornecidos por Fabíola, em 2018, 536 mulheres foram vítimas de agressão física a cada hora, ou seja, 4,7 milhões de mulheres ao longo do ano. Além disso, foi apurado que 27,4% das mulheres brasileiras com mais de 16 anos sofreram algum tipo de violência.

A lei implementada na cidade tem grande poder de informação, como explica a promotora. “Trabalhamos na capacitação de agentes comunitários de saúde com foco em saúde pública das mulheres vítimas de violência. O Ministério Público, junto com a rede de atendimento apresenta materiais informativos para que os servidores da área de saúde promovam as informações para as mulheres vítimas de violência. A violência contra a mulher deve ser enxergada como questão de saúde pública, uma vez que adoece, provoca sofrimento nos filhos, danos físicos e psíquicos”, diz Fabíola.

Itatiba busca mais conscientização com ações efetivas em combate à violência contra a mulher. Estamos no caminho certo! 

*dados do Monitor da Violência, parceria do G1 com o Núcleo de Estudos da Violência da USP e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública. 

  SAIBA COMO DENUNCIAR  
De acordo com a ONDH (Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos), a média diária de 1º a 16 de março foi de 3.045 ligações recebidas e 829 denúncias registradas. Já nos 8 dias seguintes estes números subiram para 3.303 ligações recebidas e 978 denúncias registradas, um aumento de 9%. É preciso redobrarmos a atenção para os casos de violência doméstica nesse período de isolamento social: DENUNCIE! Ligue 180 - Canal gratuito e confidencial!

| O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência da Q Revista doando qualquer valor. Acesse:
|  https://apoia.se/qrevista 

Projeto “lixo no chão, em Itatiba não” é exemplo de sustentabilidade
16/03/2020   Projeto Social Educação
 Postado por:   QRevista

Projeto “lixo no chão, em Itatiba não” é criado para erradicar a cultura de que tudo que não nos serve, pode ser jogado de qualquer forma. Os resíduos descartados indevidamente se tornaram um dos maiores e mais críticos problemas da humanidade, vindo a ser uma questão de saúde pública e que afeta diretamente toda população.

Segundo Leila Bedani, idealizadora do projeto, a iniciativa tem percorrido os bairros da cidade com parceiros e voluntários dedicados a expandir o modo de vida sustentável e, além da conscientização, também são realizadas oficinas lúdicas com reaproveitamento de materiais recicláveis, caminhada ecológica com recolha dos resíduos descartados indevidamente nas ruas, revitalização de jardins, atividades físicas, café da manhã solidário, artesanato com recicláveis, oficina de compostagem doméstica, distribuição de lixeirinhas para carros, plantio de mudas de árvores nativas – com o objetivo de difundir o conceito da sustentabilidade dos ODS (Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável) –, entre outros.

A primeira ação aconteceu no dia 1 de julho de 2018, na Avenida João Batista Leone, paralela com a UPA, no Parque Empresarial Adelelmo Corradini. “Foi um sucesso!
Compareceram cerca 300 pessoas, que juntas coletaram aproximadamente 1000 kg de resíduos somente nas margens do ribeirão. Ainda estamos estudando local e data para a próxima ação. Mas quem quiser participar é só ficar de olho nas nossas redes sociais. Tudo isso só é possível graças às pessoas que abraçam essa causa”, afirma Leila.

O projeto tem como intuito conscientizar as pessoas, levar informações e mostrar o quanto é importante cuidar do meio em que vivemos e, além disso, que o descarte dos resíduos de forma correta é bem mais simples do que imaginamos. A iniciativa também ajuda a fiscalizar e guiar um caminho melhor para todos com a prática dos 5 RS: Repensar, Recusar, Reduzir, Reutilizar e Reciclar.

“Nesse primeiro ano de existência do projeto já conseguimos reunir aproximadamente 1.500 pessoas, todas voluntárias, coletamos 6.000kg de resíduos do meio ambiente, 230 mudas de árvores nativas plantadas, 4 jardins revitalizados, 2 limpezas no rio Atibaia, aliadas ao Dia Mundial da limpeza, 2.700 lixeirinhas para carro distribuídas e 20.000 metros de ruas percorridos durante as caminhadas ecológicas”, diz.

O lixo que produzimos diariamente pode levar milhares de anos para desaparecer da natureza, causando um impacto catastrófico no nosso planeta, como enchentes, contaminação dos cursos d’água, proliferação de doenças, entre outros. Leila afirma que o projeto é uma forma de conscientizar a região. “Para garantirmos um mundo mais sadio e limpo, é necessário viver dentro dos preceitos da sustentabilidade, consumir corretamente, com consciência e sem desperdícios. Esse é um trabalho de formiguinha e constante, mas hoje em dia as pessoas estão mais abertas e dispostas a se reinventar, e isso tem levado muitos voluntários a participarem e aderirem a esse estilo de vida. E sempre estamos abertos para receber novas ajudas”, finaliza.

 Para saber mais: 
E-mail: lixonochaoemitatibanao@gmail.com
Facebook: Lixo no chão, em Itatiba NÃO

Caridade da Família INSANOS MC
16/03/2020   Projeto Social
 Postado por:   QRevista

Em visita ao Asilo com doações de Fraldas Geriátricas, a entrega aconteceu nesse sábado dia 08 de fevereiro.

Parabéns a todos envolvidos pela causa!

@insanosmc @asilosaovicenteitatiba

‘Primeiras Braçadas’: projeto promove inclusão social por meio do esporte
16/03/2020   Projeto Social Saúde, Beleza & Bem-Estar Esporte
 Postado por:   QRevista

Pessoas com deficiência física, intelectual, visual e múltipla encontram na natação mais que uma prática de bem-estar em Itatiba

Quando o esporte encontra a autoestima, toda conquista é uma medalha de ouro. Nisso o projeto “Primeiras Braçadas”, grupo de natação multidade idealizado e mantido por voluntários em Itatiba, tem muito a celebrar.

Coordenado pelo professor de Educação Física Eduardo Perrone, o “Primeiras Braçadas” atende hoje cerca de 80 alunos, sendo 40 pessoas com deficiência, desde paralisia cerebral, amputadas, paraplégicas, tetraplégicas e com Síndrome de Down. A outra metade de alunos é formada por idosos com mais de 60 anos, que participam de aulas semanais de hidroginástica com objetivo focado na qualidade de vida.

Desde a criação do projeto, há seis anos, a meta é fazer da piscina o ponto onde todos, divididos pelas suas peculiaridades, são iguais e capazes de competir. Os treinos acontecem semanalmente realizados em piscinas oficiais da academia Na Ativa, parceira da iniciativa. A participação é gratuita e voltada à sociedade – o aluno ou interessado não precisa estar ligado a uma escola especial ou ONG.

Projeto para incluir – Em 2013, os irmãos nadadores Thomás e Thales Capeletto de Oliveira vislumbraram o projeto de incentivo à natação como ferramenta de inclusão social para um segmento muitas vezes esquecido quando se fala em competição esportiva: as pessoas com deficiência!
Auxiliados pelo amigo de longa data - o professor Perrone, que os acompanha desde que começaram a nadar, há mais de 30 anos – os irmãos chegaram às educadoras Heloisa Pereira Pancotto e Bruna Bredariol, que naquela época faziam mestrado na área. Elas deram forma ao projeto e se tornaram professoras. Heloisa ainda hoje segue com aulas, tendo como colaboradores Danilo Marcotriggiano do Nascimento e Gabriel de Moura Palladino. Patrocinado pela iniciativa privada de Itatiba e tendo como grandes apoiadores a empresa DryAll, a academia Na Ativa e o incentivador Marcelo Augusto dos Anjos, o projeto tem garantido os recursos necessários para manutenção dos treinos.

Conquistas – As medalhas são fruto da dedicação e do esforço dos participantes do “Primeiras Braçadas”. Elas somam dezenas nesses seis anos e vêm de importantes competições regionais -, e começaram já nos primeiros tempos de projeto. A princípio, a ideia do “Primeiras Braçadas” era despertar para recreação. Mas o potencial de disputa logo despontou em alguns participantes. Já no primeiro ano e com apenas três nadadores, vieram as primeiras medalhas nos Jogos Regionais e classificação para os Jogos Abertos de 2015. Neles, com uma equipe melhor estruturada, vieram mais medalhas e a 4ª colocação na classificação geral entre as equipes PNE (Portadores de Necessidades Especiais).

Neste 2019, a equipe Primeiras Braçadas voltou para Itatiba com um expressivo resultado após a 63ª edição dos Jogos Regionais da 4ª Região Esportiva do Estado de São Paulo, realizados em julho na cidade de Americana –SP. Foram 24 medalhas, de ouro, prata e bronze, seja nas categorias individuais ou nos revezamentos. Uma marca expressiva numa única e importante competição. Entre as outras principais competições, destaque para torneios regionais e para o Troféu Guilherme Guido, em que competem representando a cidade de Itatiba.

 Projeto de Inclusão da Pessoa com Deficiência 
“Primeiras Braçadas”

Onde: Semanalmente, na Academia Na Ativa (Endereço: Av. Guerino Grisotti, 405, Bairro do Engenho, Itatiba/SP).

Quando: Aulas às segundas-feiras, pela manhã e à tarde; quartas-feiras de manhã; quintas-feiras à tarde e nas sextas-feiras à tarde (inclusive a aula de hidro.)

Como participar: Procurando pelo professor Eduardo Perrone, nos dias de aulas. É feita entrevista prévia para avaliação de acordo com as regras do projeto. As aulas são gratuitas.

1