Encontre empresas, produtos e entretenimento


Categoria: Turismo
Verona, a pequena Roma
21/04/2021   Turismo
 Postado por:   Alessandra Nardin

Na época do poeta, escritor, dramaturgo Shakespeare, as notícias sobre a Itália e Veneza circulavam na Grã-Bretanha. A Itália, e em particular Veneza, era o centro do interesse cultural inglês e apresentava uma dupla expectativa! Positivo e negativo. A Itália foi considerada uma matriz de civilidade, arco inesgotável das artes, jardim da Europa, lar de grandes artistas e escritores. Isso é confirmado por diários e textos literários, memórias de repórteres e viajantes.
Naquela época, certamente não havia comunicação de hoje, as trocas eram feitas a cavalo, então como uma pessoa de um país estrangeiro podia conhecer histórias, descrever ambientes tão distantes para contar e até mesmo traduzi-los no palco? Shakespeare estava realmente em giro pela Itália, visitou Verona, morou em Pádova, subia e descia as pontes de Veneza?

O fato é que não se tem confirma se Shakespeare esteve aqui em Verona, mas isto não o impediu de escrever uma das obras mais conhecidas, apaixonantes e replicadas no mundo sobre o amor e que nós não a conhecemos senão foi através um doce ???? Romeu e Julieta.:-)

Baci e Abbracci

Alessandra 


Eu sou Alessandra e vivo na Itália há mais de 20 anos.
Viaje comigo pela minhas www.verdescolinas.com
na Região do Piemonte, no norte da Itália e descubra uma Itália de doces colinas, vinhedos, boa mesa e relax.

Na Itália, casas a venda por 1 €
15/04/2021   Turismo
 Postado por:   Alessandra Nardin

Há algum tempo na Itália existe uma iniciativa que visa repovoar aldeias e pequenos municípios que foram abandonados ao longo dos anos. Os interessados ??em comprar uma casa por 1 euro devem garantir um projeto de renovação imobiliária no prazo de 365 dias após a compra pelo valor simbólico de 1 euro. Além disso, devem arcar com todas as despesas previstas, como as relacionadas ao cadastramento e empilhamento do imóvel, e de traslados. Uma vez obtidas as licenças para as renovações do imóvel, é necessário iniciá-las no prazo estabelecido pelo aviso do município.

Um dos últimos requisitos a cumprir para obter o direito à compra de um imóvel por 1 euro é a estipulação de uma apólice de 5 mil euros por 3 anos: no final, o município devolve os 5 mil ao comprador. A apólice de fiança, nada mais é do que uma garantia para o município.

As províncias de Alessandria, onde moro e Brescia (Lombardia) registraram um crescimento exponencial da demanda por imóveis no campo. Na província do Piemonte houve um aumento de 241%, enquanto na província de Brescia os pedidos aumentaram 268% em relação ao período pré-Covid. Todos à procura do campo, da tranquilidade e de uma melhor qualidade de vida.

Escolha a destinação, arrume as malas e venha viver na Itália!

CANTIANO, Região delle Marche. Um pequeno vilarejo de origens medievais, inserida num contexto naturalista e paisagístico de grande beleza, nas encostas do Monte Catria reconhecida pelo Touring Club Italiano com a Bandeira Laranja, juntou-se ao projeto de recuperação e valorização do património imobiliário existente.

SAMBUCA, Sicília. Após o sucesso da primeira convocatória Case a 1 euro, o município da Província de Trapani, eleito em 2016 "Borgo dei Borghi", lança uma nova convocatória intitulada Casa a 2 euros. O Município de Sambuca colocará à venda cerca de 15 ou 16 moradias pertencentes ao Município com o método de leilão, o preço inicial será de 2 euros.

VERGEMOLI, na Região da Toscana. O território da província de Lucca, em 2021, será afetado por um investimento de cerca de 4 milhões de euros graças aos cerca de 40 estaleiros que serão inaugurados pelos compradores dos imóveis dos vilarejos fantasmas participantes no projeto Casas de 1 euro.

LECCE NEI MARSI, Região de Abruzzo. A pequena cidade está localizada no coração do Parque Nacional de Abruzzo, Lazio e Molise. Habitada por cerca de 1700 habitantes na província de L'Aquila, aceitou a doação de particulares de várias casas antigas, por vezes em ruínas e sem mercado. No momento não há notícias de imóveis disponíveis.

 

Baci e Abbracci
Alessandra

“Alessandra, vive na Região do Piemonte, na Itália há mais de 20 anos.
Adquiriu experiência viajando o mundo à trabalho e continua a viajar descobrindo a autenticidade dos pequenos vilarejos, o verdadeiro tesouro da Itália.
Hoje ela realiza roteiros personalizados pelas suas Verdes Colinas do Piemonte, onde vive.
Sempre pronta à partir, nos guiará pela Itália com paixão através os seus olhos e a sua experiência adquirida nesses anos vivendo na Itália.

 

A pequena Paris da Italia.
08/04/2021   Turismo História Cultura
 Postado por:   Alessandra Nardin

Torino ou Turin a capital da Região do Piemonte é uma joia de riqueza histórica e arquitetônica e tudo devido ao período do reino dos Savóias. Savóias foi uma das dinastias mais importantes da Europa.

A Dinastia Savóia, originada entre os séculos X e XI, reinou sobre a Itália de 1861 a 1946. Seu nome deriva da região (no país francês) com o mesmo nome, onde inicialmente possuía suas próprias possessões, depois se estendeu também deste lado dos Alpes (Torino é distante da FRONTEIRA franceses somente 1.30 minutos) para formar um estado.

A origem do sistema de residências do reino Savóia inicia em 1563, quando o Duque Emanuele Filiberto de Savóia, decidiu transferir a capital do Ducado para a cidade de Torino. Não é um caso que Torino foi e é ainda chamada como a pequena Paris. Caminhando pelas suas ruas, frequentando suas cafeterias e degustando as delicias das confeitarias torineses se entende a grande influência que os Savoias tiveram sobre essa cidade.

Uma dessas residências reais na cidade de Torino é a Reggia di Venaria.  La Venaria Reale, um grandioso complexo distante a poucos km do centro da cidade de Torino com 80.000 metros quadrados de construção monumental do Palácio Real e 60 hectares de jardins e 3.000 hectares cercados do Parque La Mandria, é uma obra-prima da arquitetura e da paisagem.

O projeto, de grande impacto visual, inclui o palácio, o parque, o bosque de caça e toda uma inteira aldeia. A residência de campo e de caça foi projetada para ser suntuosa, luxuosa para acolher amigos e realezas daquele período. A beleza não é somente na sua grandeza como nos seus maravilhosos jardins italianos e jogo de esculturas, e fontes, escadarias espetaculares e terraços em vários níveis, um parque alto no andar do edifício e um parque no andar de baixo. Toda a composição é tornada única pela linha de perspectiva que atravessa a aldeia e continua no coração do Palácio ao longo do canal que liga a Fonte de Hércules ao Templo de Diana.

Declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco em 1997, foi aberto ao público em 2007 após ser o mais importante sítio de restauração da Europa para o patrimônio cultural. Descobrir a cidade de Torino é conhecer um importante pedaço da história italiana.

 

Baci e Abbracci

Alessandra


“Alessandra, vive na Região do Piemonte, na Itália há mais de 20 anos.
Adquiriu experiência viajando o mundo à trabalho e continua a viajar descobrindo a autenticidade dos pequenos vilarejos, o verdadeiro tesouro da Itália.

Hoje ela realiza roteiros personalizados pelas suas Verdes Colinas do Piemonte, onde vive.
Sempre pronta à partir, nos guiará pela Itália com paixão através os seus olhos e a sua experiência adquirida nesses anos vivendo na Itália.
Como reconhecer o bom “gelato” italiano artesanal?
01/04/2021   Turismo
 Postado por:   Alessandra Nardin

Faça frio ou calor o gelato é um alimento consumido todo o ano. Os italianos consomem 12 quilos de sorvete por ano: um recorde mundial.

Não é fácil para os estrangeiros reconhecer o “gelato” bom, pois existem muitos sorvetes de qualidade baixíssima, mas com a aparência fantástica. Sabe, aquele gelato super colorido e com tantos sabores possíveis? Aquele que é exposto na vitrine e você não consegue falar não? E’ desse que você deveria ficar longe.

Eu demorei para aprender a reconhecer o bom gelato. Não é fácil, pois estamos acostumados com parâmetros diferentes. Crescemos com o sorvete doce no Brasil, um verdadeiro erro. Atrás do doce se esconde ingredientes artificiais que não revelam o sabor da fruta autentica do Brasil.
Depois de anos experimentando bons e ruins sorvetes, entendi o que significa o "gelato" italiano delicioso.

Como reconhecer o bom “gelato” artesanal?

1.     1- A cor do sorvete deve ser sempre congruente com o sabor escolhido: o morango, por exemplo, não deve ter a cor de cereja ou framboesa, assim como um verde muito brilhante para o pistache poderia destacar a presença de corantes. O pistache não é verde brilhante, mas acastanhado até se fundir com a avelã, enquanto a hortelã é branca! Não!? Isso mesmo… a verdade é difícil, mas temos que a aceitas.
Eu, que cresci com o sorvete sabor Menta e da cor verdíssima confesso que mesmo sabendo que hoje o sorvete de menta é branco, eu gostaria ainda de comer aquele verde…pois o sorvete da infância é muito mais que uma cor e um sabor.
E ainda se você encontrar um pistache verde brilhante, por exemplo, pode significar que o sorvete foi feito com uma pasta de pistache esticada com óleos ou feita com outras frutas secas. Lembre-se que a lista de sabores da sorveteria deve ser limitada a 15-16 sabores, número que pode variar de acordo com as estações do ano e as frutas disponíveis. Além disso, o sorvete não deve ser muito brilhante ou muito opaco.

2.     2 - Descarte as sorveterias com montanhas de sorvetes na vitrine e escolha os sorvetes com uma cor natural, que possamos degustar. Pode parecer estranho, mas o sorvete não deve estar muito frio, ou seja, não deve dar a sensação de um gelo irritante na boca, principalmente no que diz respeito aos cremes (os sorvetes à base de água devem parecer um pouco mais frios)

3.     3 - O sorvete não deve ser doce! Se for, significa que talvez o açúcar tenha sido usado para mascarar o fato de que é de má qualidade. 

4.     4 - Se sentir uma certa acidez no paladar, significa que não foi guardado corretamente: não se esqueça que o gelado é feito de leite. O sorbetto é somente realizado com a fruta.

5.     5 - A consistência também é um parâmetro importante para avaliação do sorvete. Para ser bom, deve ser cremoso, mas não excessivamente. Quando o sorvete derreter com bastante facilidade é normal, principalmente no verão. No entanto, se a fusão ocorrer muito rapidamente, significa que não há um bom equilíbrio dos diferentes ingredientes. Se, por outro lado, o sorvete não derreter, é porque pode conter aditivos.

6.     6 - Nas sorveterias é obrigatório apresentar a lista de ingredientes, caso não a encontre: pergunte! Atenção ao "E" seguido de um número: quanto mais há, pior é, o mesmo vale para anti-alguma coisa, antioxidantes, emulsificantes, estabilizantes, corantes.

7.     7- A boa sorveteria produz sabores com frutas da estação do ano por isso se a lista de sabores for pequena você está em uma ótima sorveteria.

Baci e Abbracci

 

Alessandra

“Alessandra, vive na Região do Piemonte, na Itália ha mais de 20 anos.
Adquiriu experiência viajando o mundo à trabalho e continua a viajar descobrindo a autenticidade dos pequenos vilarejos, o verdadeiro tesouro da Itália.
Hoje ela realiza roteiros personalizados pelas suas Verdes Colinas do Piemonte, onde vive.
Sempre pronta à partir, nos guiará pela Itália com paixão através os seus olhos e a sua experiência adquirida nesses anos vivendo na Itália.

Pecorino, Squacquerone, Robiola, Bettelmatt...
24/03/2021   Turismo
 Postado por:   Alessandra Nardin

...fontina, parmigiano, castelmagno... e posso continuar com a lista de queijos italianos
Se você pensa que na Itália se come somente parmigiano ou muçarela você está muito enganado.

O queijo é um alimento extraordinariamente excepcional, uma concepção cultural complexa, nascida da necessidade de preservar uma preciosa matéria-prima: o leite. Um alimento tão complexo que na Idade Média até os maiores médicos da época desconfiavam dele. "Caseus est sanus quem dat avara manus", dizia um aforismo que se traduz no significado de que se o queijo comido em pequenas doses não faz mal à saúde, se dizia na idade média... e hoje é um dos alimentos principais na dieta mediterrânea.
E se pode verificar o valor nutricional desse alimento em um dos queijos mais famosos no mundo, o queijo parmigiano Reggiano. E' um queijo 100% natural composto por 30% de água e uns bons 70% de nutrientes e a coisa interessante é que não contem lactose. A lactose é um açúcar normalmente encontrado no leite. No processo de produção do Parmigiano Reggiano, a lactose é fermentada pela microflora de bactérias lácticas nas primeiras 48 horas após o processamento. É a chamada fermentação láctica, durante a qual as bactérias lácticas, que se encontram naturalmente no leite, transformam o açúcar da lactose em ácido láctico nos primeiros dois dias de produção.

E' o queijo indicado na dieta dos bebes, pois um alimento completo, assim como ótimo para os esportivos.

 

A arte de fazer queijo reflete a importância de um recurso fundamental como o leite. Num país com vocação agrícola como a Itália, ela sempre desempenhou um papel central na alimentação de todas as famílias e em particular dos menos privilegiados. Aproveitar ao máximo as dádivas da terra e tudo o que a criação de gado tem a oferecer é um mandamento da civilização de gente que vive nos campos e dos campos.

Praticamente todas as regiões da Itália têm pelo menos um queijo que a representa bem. Em muitos casos, trata-se de produtos que também ostentam uma denominação de origem reconhecida a nível europeu (DOP Denominação de origem protegida e IGP indicação geográfica protegida), outros trata-se dos chamados PAT, ou Produtos Agroalimentares Tradicionais, incluídos na lista apresentada ao MIPAAFT .

E' realmente incrível descobrir a quantidade de tipologias de diferentes queijos que ali se produzem sabendo que todos partem da mesma base: o leite.

Do norte ao Sul a escolha desse alimento fantástico é "imbarazzante", ou seja a quantidade de queijos que se encontram na Itália é coisa de louco.
O Valle d'Aosta possui dois queijos DOP e nove PAT. O mais famoso é o Fontina DOP. “As primeiras informações sobre este queijo datam de 1200 e leva o nome de uma família: 
i De Funtina. E' um queijo tratado apenas com água e sal. Pode ser comercializado após 80 dias.
A Região do Piemonte, onde vivo, coleta mais de dez DOP, um deles o Robiola DOP de leite de cabras é trabalhado sem pasteurizar, se realiza com leite cru à uma certa temperatura. E' maravilhoso comer com a geleia de uva (uma especialidade do Piemonte). O Castelmagno, outro queijo pimeontese, por outro lado, é um dos queijos mais complicados de "manejar", deve ser seguido com carinho durante a maturação (pelo menos seis meses) para evitar a colocação à venda de produtos farináceos e pouco saborosos. É conhecido pelo menos desde 1277, e nos anos 60 correu o risco de desaparecer, devido ao despovoamento das montanhas. Algumas décadas depois, o relançamento: o Doc em 1982, o Dop em 1996 e o ??nascimento do Consórcio em 2002. É produzido durante todo o ano em três pequenos municípios de Val Grana, na província de Cuneo: Castelmagno, Pradleves e Monterosso Grana.

Em Molise existe o Caciocavallo di Agnone PAT, fabricado no país dos Sinos (Agnone), este queijo remonta à época da Magna Grécia. É um queijo gordo, não desnatado, com diferentes maturações: jovem, médio ou bastante longo. Tem forma de pêra, com uma pequena cabeça.
A Puglia é conhecida como a região de Burrata, um dos dois queijos IGP da Itália. É um queijo produzido com leite de vaca, obtido a partir da fusão de tiras de natas e muçarela. 
O nascimento desse queijo dos deuses se narra que em 1950, devido a uma forte nevasca, não conseguindo transferir o leite para a cidade, o gênio  Lorenzo Bianchino foi obrigado a transformá-lo em nata e seguindo a receita da manteiga batida. Em seguida, ele criou embalagens enchendo-as com uma mistura de coalhada e nata "

Resumir a Itália somente com a muçarella ou parmesão é deixar de descobrir um patrimônio de séculos de história desse fantástico alimento que é o queijo.

Baci e Abbracci

Alessandra


“Alessandra, vive na Regiao do Piemonte, na Italia ha mais de 20 anos.
Adquiriu experiência viajando o mundo à trabalho e continua a viajar descobrindo a autenticidade dos pequenos vilarejos, o verdadeiro tesouro da Itália.
Hoje ela realiza roteiros personalizados pelas suas Verdes Colinas do Piemonte, onde vive.
Sempre pronta à partir, nos guiará pela Itália com paixão através os seus olhos e a sua experiência adquirida nesses anos vivendo na Itália.

Umbria
08/03/2021   Turismo
 Postado por:   Alessandra Nardin

Na Região da Umbria para assistir um espetáculo floreal

 

Perugia, Assis, Orvieto, Norcia, Spello, Montefalco, natureza, arte e os festivais mais importantes da Região do coração verde da Itália.
Faz fronteira com a Região da Toscana e com Le Marche e talvez por esse motivo os brasileiros não a consideram como uma destinação principal em uma viagem à Itália, mas o segredo é saber quando visitár-la.


A poucos quilómetros do centro histórico de Norcia, a partir dos meses de
Maio a Julho, todos os anos realiza-se um espectáculo floral: a floração das lentilhas (leu muito bem, as lentilhas) de Castelluccio di Norcia, que é acompanhada pelas flores coabitantes, que são muito numerosas nos campos cultivados onde não se usam pesticidas. Domina um cenário de beleza do vermelho da papoula ao azul das centáureas, passando pelo amarelo da mostarda, são as cores da Serra dos Sibillini.


Todas as cores das Montanhas (Monti) Sibillini: as orquídeas selvagens e multicoloridas do “Prati di Ragnolo

No início de maio as orquídeas selvagens começam a florescer. Nas Montanhas Sibillini é possível admirar 37 tipos diferentes de orquídeas multicolores.


E no meio de toda essa beleza verde encontramos as aldeias como Montefalco protegida pelos seus muros medievais posicionado nas suas verdes colinas onde se produz o vinho tinto Sagrantino e o azeite Umbro, um dos melhores azeite italiano. 

As oliveiras cultivadas na Úmbria dão vida a um azeite tão bom porque gozam de condições climáticas únicas, que permitem um amadurecimento muito lento das azeitonas: isto significa que a acidez dos frutos é muito limitada.

E nao menos importante, em Montefalco è presente um dos meus restaurantes preferidos http://www.ristoranteallaviadimezzo.it/ (fui ate Montefalco somente para comer no seu restaurante) e se voce è curioso ele tem um programa de tv.


E a aldeia de Spello? Sabe aquela imagem que você tem da Itália com as casas de pedras, as ruas cheias de flores… então è aqui e no mês de junho acontece o festival de tapetes de flores. Em ocasião do Corpus Domini, são fabricados de 1500 a 2000 metros de tapetes e pinturas florais inspiradas em motivos religiosos. O costume de homenagear a divindade com lançamentos de material floral ou a criação de composições florais no solo se perde nas brumas do tempo em muitos lugares, mas em Spello essa tradição de colocar artisticamente elementos vegetais pelas ruas, está documentado nos Arquivos do Município pela primeira vez em 1831.

Antes de decidir viajar, pesquise para descobrir festivais, feiras e fenômenos naturais e dar a oportunidade à você de conhecer um território em toda a sua beleza.

Baci e Abbracci

Alessandra

 


“Alessandra, vive na Regiao do Piemonte, na Italia ha mais de 20 anos.
Adquiriu experiência viajando o mundo à trabalho e continua a viajar descobrindo a autenticidade dos pequenos vilarejos, o verdadeiro tesouro da Itália.
Hoje ela realiza roteiros personalizados pelas suas Verdes Colinas do Piemonte, onde vive.
Sempre pronta à partir, nos guiará pela Itália com paixão através os seus olhos e a sua experiência adquirida nesses anos vivendo na Itália.

Me diga o teu sobrenome
03/03/2021   Turismo
 Postado por:   Alessandra Nardin

Na Itália é muito importante o sobrenome que você tem. Quando as pessoas se apresentam umas às outras na Itália, dizem o nome e o sobrenome e outros preferem primeiro dizer o sobrenome e depois o nome (depende da situação e da formalidade).

É muito importante ao responder à pergunta qual é o teu nome dizer o sobrenome. O teu nome é o teu sobrenome.

 

Lembre-se no momento do check-in em um hotel:

  • Buongiorno, sono Nardin Alessandra, ho una prenotazione.


Eu tenho dois passaportes, um brasileiro e italiano. Minha mãe nascida na Itália, foi para o Brasil com a sua família quando tinha 8 anos e por esse motivo eu tenho direito, pela lei italiana, de ser uma cidadã italiana.

Eu só fui entender a importância do sobrenome e cada letrinha que ele é composto somente vivendo aqui. O meu sobrenome é Nardin, com o final N e não com final M, mas por um erro de descrição do Brasil, nos meus documentos eu tenho que escrever com M.


E você pergunta: Que diferença faz? A letra N ou M no fim do sobrenome tanto faz. E’ aqui que está o problema, a mudança de apenas uma consoante pode mudar a origem da tua história.

E a pronúncia da palavra em italiano com o fim N e ou M muda completamente, então, eu todas as vezes digo a pronúncia com N e depois digo que foi um erro de cartório, mas no meu documento está escrito com a M.

Através do teu sobrenome, eu cidadão italiano, sei de onde você vem. Quando você diz o teu sobrenome a alguém, ele já sabe qual é a tua origem. O teu sobrenome diz sobre você, da Região e das tuas origens.

O sobrenome Nardin coloca imediatamente as minhas origens na Região do Vêneto, pois quando eu pronuncio o meu sobrenome com M me coloca em uma Região que não é a minha verdadeira origem.

Através das nossas origens descobrimos a história da nossa identidade, dos nossos ancestrais. 

Quando eu estive pela primeira vez na cidade de Padova e Treviso (cidades da Região do Veneto) eu reconheci os traços de fisionomia de uma parte da minha família. Foi um lance muito legal. Eu observava as pessoas e, dizia: nossa parece com a tia… com o tio e assim por diante.


É altamente importante e motivo de orgulho o sobrenome que é colocado nas portas de casas, nas campainhas e nos muros de casas.
Quando eu recebo a conta da luz, nas indicações, não está o número do apartamento, mas o número do prédio e o sobrenome. Nas casas o sobrenome é colocado nas portas de casas ou no muro ao lado da porta de entrada indicando que naquela rua vive a família Nardin.
Assim como é tradição antiga, pintar artisticamente o sobrenome da família nos próprios muros da casa.

 

Os sobrenomes surgiram no século X
Por causa do aumento dos habitantes e, para distinguir as pessoas e para facilitar e garantir atos públicos se criou o "sobrenome".

O sobrenome pode, por exemplo, derivar de uma determinada característica física ou de um apelido (Rossi para ruivos, por exemplo), ou da área de origem (como Leonardo: da cidade de Vinci, na Toscana), do trabalho realizado Fornaio (padeiro) = Fornero; Ferrero nasce do nome Fabbro (ferreiro) ...) ou por patronímica (ou seja, o nome do pai: por exemplo, Iohannes filius Arnaldi passará a ser Giovanni Arnaldi).


Muitos sobrenomes de plantas por exemplo (Cipolla (cebola), Finocchio (erva-doce), Meloni (melão)) têm origem celta ou germânica, pois entre os povos nórdicos os ritos relacionados à natureza e às plantas eram numerosos. Então saiba que, se seu nome é Zucca (abóbora) ou Zucconi, não é porque seu tataravô tinha a cabeça dura :-).

Na verdade, para os celtas, a abóbora tinha poderes mágicos!


Por fim, outra categoria de sobrenomes muito comum deriva do fato de ter tido orfanatos abundantes na Itália: Esposito, Trovatelli, Innocenti, por exemplo, são sobrenomes dados a crianças de origem desconhecida, ou seja, a "abandonados".

Através de apenas um sobrenome podemos descobrir séculos de anos de vida, este site pode te ajudar nessa aventura.


Dia 21 de fevereiro foi o "Dia Nacional do Imigrante Italiano". Uma oportunidade para que toda a comunidade italiana se sinta mais uma vez próxima da Itália, pátria de nossos ancestrais. Estima-se que hoje existam mais de 30 milhões de brasileiros descendentes de italianos, que vivem principalmente nas regiões Sul e Sudeste do país.

 

Baci e Abbracci

Alessandra


“Alessandra, vive na Região do Piemonte, na Itália há mais de 20 anos.
Adquiriu experiência viajando o mundo à trabalho e continua a viajar descobrindo a autenticidade dos pequenos vilarejos, o verdadeiro tesouro da Itália.
Hoje, ela realiza roteiros personalizados pelas suas Verdes Colinas do Piemonte, onde vive.
Sempre pronta à partir, nos guiará pela Itália com paixão através os seus olhos e a sua experiência adquirida nesses anos vivendo na Itália.

Praia na Itália? Prepare o bolso.
23/02/2021   Turismo
 Postado por:   Alessandra Nardin

Uma das coisas mais fascinantes em viajar, para mim, é descobrir novos costumes. 
E, quando eu descobri que para ir à praia, na Itália, é preciso pagar, eu fiquei abismada. O que? Eu tenho que pagar? Vamos entender o porquê.

Na Itália, a praia é a pagamento!


Existe uma lei italiana onde determina que as praias e os estabelecimentos balneários são de propriedade do Estado. Mais precisamente, a lei, faz referimento a propriedade marítima do Estado, e através concessões dadas à determinadas empresas especializadas no sector, faz com que nem todas as praias sejam livres ao público. Estas empresas, precisamente em virtude de uma concessão de propriedade marítima regional, podem gerir - numa determinada praia e num determinado lido - atividades turísticas, atividades recreativas e podem, portanto, criar estabelecimentos equipados com bares, restaurantes, guarda-sóis, espreguiçadeiras e todo o serviço "oferecido" em troca de pagamento.
E' a Região a determinar para quem dar a concessão. Através um contrato, que dura longos anos (muitas vezes passa de pai para filho), a pessoa torna-se "proprietário" e responsável daquele pedaço de praia, seja no verão que no inverno.

 

E come funciona?

Do mês de março à setembro os estabelecimentos balneários são abertos ao público.
No preço por dia é incluído serviço bar/restaurante (a consumação se paga a parte), salva vidas, vestiários, toilette, ducha, guarda-sol, cadeiras, praia cuidada e limpa.
E' como se você estivesse hospedado em um resort com todo o serviço incluído no preço. 
Os serviços oferecidos nesses estabelecimentos são os mais diversificados uns dos doutros, pois a concorrência é séria e um vizinho do outro.

Cabines com banheiro privativo, chuveiro de hidromassagem, sofá, TV, ar-condicionado, Wifi grátis em toda a praia, estações de carregamento de celulares e tablets, quadra de vôlei de praia, sala de ginástica equipada, banheira de hidromassagem externa, cursos de hidroginástica, canoas, sup. e bicicletas à disposição dos clientes, música com DJ, serviço baby-sitter, restaurante, bar, serviço de massagem e continua.

Muitos hotéis, fazem acordo com o estabelecimento de preferência, para poder oferecer ao próprio cliente um serviço completo. As famílias, sobretudo com filhos, no verão fazem a inscrição de um ano ao outro para garantir a reserva e receber um pouco de desconto.
Esses lugares de lazer são realmente uma continuação da própria família, de encontros, amizade e muitos chegam até ao casamento.

O preço parte da 15 à 30 euro ao dia e se chamam "giornaliero" (diária). 
Quando você compra o "bilhete" de entrada, você está pagando por todo um serviço, guarda-sol e a cadeira, pois se você preferir a espreguiçadeira o preço é outro....(está achando o que? kkkk)

No verão é costume da família italiana transferir-se na praia. Você tem a possibilidade de iniciar do dia com o café da manhã, depois almoço, jogos, relax, diversão e concluir a jornada com a ducha quente para voltar para casa pronto para dormir. 
Tudo para o teu bem-estar.
As cabines ou vestiários, se pagam a parte e tornam-se armários pessoais, onde você pode deixar tudo: biquínis, toalhas, os cremes, os jogos, a troca de roupa...enfim o necessário para um dia na praia.

 

Mas existem praias livres?

Sim, pela lei italiana, as praias livres deveriam cobrir pelo menos o 60% do território marítimo, mas não é isso que acontece. Muitas vezes em certas regiões somente o 30% são disponíveis e as vezes em lugares não felizes. As praias livres encontram-se e é necessário pesquisar para descobrir esses pedações de paraísos. 
Eu prefiro as praias livres... uma coisa mais selvagem do que todos sentado uns aos lados dos outros, mas pode ser uma escolha também de necessidade.

Enquanto no sul da Itália a realidade muda e é possível encontrar mais possibilidades de praias livres e maravilhosas. O sul da Itália é outra música e com um outro ritmo.

Onde encontram-se as praias livres mais bonitas da Itália?

 

Vernazza, uma das aldeias das Cinque Terre ( Região da Liguria). E' muito pequena, mas mergulhar nas aguas apreciando um dos Patrimônio Unesco vale a pena.

La Spiaggia delle Due Sorelle - Riviera del Conero (Região Le Marche). E' stupenda e feita toda de pedras. Se chega somente de barco.

Porto Selvaggio - no Salento (Região da Puglia). Posso dizer que na Puglia é possível encontrar inúmeras possibilidades de praias maravilhosas e livres.

La spiaggia di San Vito lo Capo (na Região da Sicilia). Maravilhosa, mas não verão totalmente lotada que dificulta apreciar a suas belezas. Melhor ir no mês de junho, julho ou setembro.

Golfo di Orosei - (na Região da Sardegna -Sardinia) aqui também se chega somente através um caminho de rochas ou através o mar. No Porto Cala Gonome partem pequenos cruzeiros para esse Paradiso.

Noli (na Região da Liguria). Essa pequena aldeia de pescadores é feita de charme e aconchego. Não é tanto a beleza do mar, mas é o seu contorno que me deixa fascinada. E quando bate a fome, atravessa a rua e compra um pedaço de focaccia e é tudo que você precisa para passar um dia na praia italiana.

Baci e Abbracci
Alessandra

 

 


“Alessandra, vive na Região do Piemonte, na Itália ha mais de 20 anos.
Adquiriu experiência viajando o mundo à trabalho e continua a viajar descobrindo a autenticidade dos pequenos vilarejos, o verdadeiro tesouro da Itália.
Hoje ela realiza roteiros personalizados pelas suas Verdes Colinas do Piemonte, onde vive.
Sempre pronta à partir, nos guiará pela Itália com paixão através os seus olhos e a sua experiência adquirida nesses anos vivendo na Itália.

1 2 3 4

Publicidade
Siga-nos no Instagram

Empresas Recentes