Encontre empresas, produtos e entretenimento


Categoria: Turismo
Quem não gosta de um bom prato de macarrão?
26/09/2020   Turismo
 Postado por:   Alessandra Nardim

Água e farinha.  Estes são os ingredientes básicos de um dos alimentos mais amados do mundo: as massas, sim senhor!
Não é incrível pensar que com somente dois ingredientes: a agua e farinha combinadas, nasce um dos alimentos mais amados no mundo?

As primeiras evidências sobre a pasta partem  do século IV AC. A mesma receita que também conquistou a Roma de Cícero que fala de "laganum" nas folhas de massas ancestrais da atual  massa chamada "tagliatelle".

Hoje, existem mais de 300 tipos de massas consumidas na Itália e podem ser classificadas como massas secas e frescas (inteiras ou furadas), cortadas, finas, lisas, listradas. 

Isso quer dizer, que poderíamos comer, quase todos os dias, um tipo diferente de massa por ano!

É um alimento neutro e, portanto, é perfeito para estimular a criatividade na cozinha, pois pode acompanhar um número infinito de "temperos", ou seja, molho quente ou frio, saudável ou leve, vegetal ou com carne, de acordo com a imaginação, as estações e o desejo do momento. 

O segredo de um prato de macarrão está no seu cozimento. Deve ser "al dente" (E' uma regra). Ou seja quando você experimentar, você deve sentir a massa nos dentes. Não pode e não deve ser mole!
A propósito, se o macarrão cozinhar mais do que os minutos indicado nas embalagens, a massa absorve muita água e fica difícil de digerir.

Por favor, o macarrão não se cozinha na panela de pressão!

Para fazer um simples prato de macarrão è necessário seguir alguns passos:

1- Em uma grande panela colocar água e levar ao fogo.
2- Quando a agua iniciar a ferver, colocar o sal grosso e a pasta seca.

3- Apenas colocada a pasta na agua, dar uma mexida com a espumadeira.

4- Respeitar e seguir os minutos indicado na embalagem. (dos 9 minutos aos 14 minutos dependendo do tipo de massa).
5- Passaram os minutos necessários do cozimento, tirar do fogo e escoar o macarrão da agua.

Tempere com o molho da sua preferência, mas atenção: A massa não pode "afogar-se" no molho.... se chama "pastasciutta" ou seja pasta asciutta, que significa pasta enxuta e portanto não é a quantidade de molho que indica um bom prato de macarrão, mas está na combinação de simples alimentos.

Experimente temperar o macarrão (melhor de formato curto e não espaguete) somente com azeite de oliva (aquele bom e não óleo de cozinha) e queijo ralado. E' perfeito, saudável e não engorda.

O segredo da cozinha italiana está na qualidade dos ingredientes e poucos.

É superficial identificar a Itália apenas com espaguete e vongole, ou cannellone e lasanha.
Seria um insulto à imensa variedade da culinária italiana pensar que na Itália existem somente três tipos de massas.

Baci e Abbracci 


"Alessandra, vive na Região do Piemonte, na Itália há mais de 20 anos.
Adquiriu experiência viajando o mundo à trabalho e continua a viajar descobrindo a autenticidade dos pequenos vilarejos, o verdadeiro tesouro da Itália.
Hoje ela realiza roteiros personalizados pelas suas
Verdes Colinas do Piemonte, onde vive.
Sempre pronta à partir, nos guiará pela Itália com paixão através os seus olhos e a sua experiência adquirida nesses anos vivendo na Itália.

Le cinque terre (As cinco terras)
18/09/2020   Turismo
 Postado por:   Alessandra Nardim

Qual è o significado da expressao: La dolce vita?

O clima temperado deste país, a boa vida, a boa cozinha, o bom vinho, a variedade de paisagens naturais, a grande riqueza artística, a música, a história e sobretudo a tranquilidade,  fazem com que este paìs seja único! A expressão “Dolce vita” nasce da soma dessas características, de saber colher a vida com calma degustando um copo de vinho apreciando uma paisagem sem preocupaçao com a pressa..

Garanto que a pressa dos italianos è muito diferente da pressa dos brasileiros:-).

Um dos guias de turismo mais sério e famoso no mundo, Lonely Planet há 24 publicações sobre a Itália, e desse número è possível entender o quanto este país tem para oferecer, começando pelo número de sítios com reconhecimentos do Património Mundial Unesco. Atualmente a Itália e China são as nações que detêm o maior número de sítios incluídos na lista de patrimônios mundiais: 55 sítios.

Para a Itália, destes 55 sítios, 5 são sítios naturais (Ilhas Eólias, Monte San Giorgio, Dolomites, Monte Etna, Antigas florestas primitivas de faias dos Cárpatos e outras regiões da Europa) e, dentro dos restantes 50 sítios de património Mundo, 8 são paisagens culturais: Costa Amalfitana, Portovenere, Cinque Terre e Ilhas (Palmaria, Tino e Tinetto), Parque Nacional Cilento e Vallo di Diano, com os sítios arqueológicos de Paestum, Velia e Certosa di Padova, Sacro Monte del Piemonte e Lombardia, Val d'Orcia, vilas e jardins de Medici na Toscana, paisagens vinícolas de Piemonte: Langhe-Roero e Monferrato (onde moro), As colinas Prosecco de Conegliano e Valdobbiadene.

Hoje vamos descobrir as maravilhosas terras chamadas  “Le cinque Terre”.
São cinco vilarejos que encontram-se no Parco Nazionale Cinque Terre na Região da Ligúria, reconhecidos pelo Patrimônio Mundial Unesco desde 1997.
Os cinco vilarejos sao Monterosso - Vernazza - Corniglia - Manarola - Riomaggiore.

E' possível conhecer as 5 terras a pè, de trem e de barco.
Os vilarejos são ligados pelas linhas de trem ou pelas trilhas que percorrem entre um vilarejo ao outro.

Para percorrer as trilhas das "Cinque Terre" è necessário consultar as informações do parque, pois ocorrem constantes mudanças por excesso de turistas...e por ser uma terra extremamente frágil muitas vezes as trilhas são fechadas para a segurança de todos. E’ necessario estra bem preparado fisicamente, tenis e roupas confortáveis. Aqui a coisa è seria e posso confirmar pois já percorri uma das várias trilhas por essa costa marítima.
Durante séculos, os caminhos das “Cinque Terre” foram a única ligação entre um vilarejo e outro. Hoje a rede que se estende por mais de 120 quilômetros permite apreciar e visitar todo o território, por caminhos de diferentes tipos. Por isso, a caminhada nas trilhas do
Parque Nacional de Cinque Terre deve ser realizada sempre com bom tempo, com calçado adequado e por pessoas com boas práticas de caminhada. No site Parque Nazionale Le Cinque Terre se posso ter todas as informações e atè a app dedicada a todas as trilhas.

5 coisas que vc deve fazer nas 5 terre:

-         Degustar um copo do vinho produzido nessas colinas, chamado Sciacchetrà. Produzir esse vinho comporta trabalho delicado e lungo por isto a sua produção è rara. Os bagaços são colhidos em outubro deixados à secar ao sol até novembro e são então descascadas à mão para selecionar apenas o melhor - e uma qualidade muito alta garantida pela Denominação de Origem Controlada (DOC desde 1973), o Sciacchetrà é um produto muito refinado que pode evoluir por dez, vinte e até trinta anos.

-         Comer a “pasta con il pesto”. Essa è a patria do pesto. O pesto è o creme feito com manjericão, pinoli, queijo ralado e azeite. Aqui cresce o melhor manjericão para preparar esse creme perfumado de Liguria. Absolutamente acompanhado com um bom vinho branco do território, Pigato.

-          Visitar as cinco terras de barco é certamente uma das formas mais românticas para sentir essa terra frágil e esplendida. Os principais pontos de embarque são a cidade de Levanto, Portovenere, Lerici e La Spezia. Durante o verão, as saídas para as “Cinque Terre” e Portovenere também acontecem em Viareggio, Forte dei Marmi, Marina di Massa e Marina di Carrara. Você pode escolher entre uma viagem de um dia com uma parada pelos vilarejos (exceto Corniglia) ou uma excursão à tarde com uma parada de uma hora em Vernazza ou Monterosso e retornar a Portovenere ou La Spezia à noite, essa opção é para quem escolhe a viagem de um dia dormindo fora das 5 terre. www.navigazionegolfodeipoeti.it.

-          Escolher um restaurante com vista espetacular como esse no vilarejo de Vernazza http://www.ristorantebelforte.it/

-          E experimentar a típica farinata (creme de grãos de bico cozido no forno) e o pão frito, no Frantoio (via Gioberti 1) no vilarejo Monterosso.

A presto e Baci!
Alessandra

 

“Alessandra, vive na Regiao do Piemonte, na Italia ha mais de 20 anos.
Adquiriu experiência viajando o mundo à trabalho e continua a viajar descobrindo a autenticidade dos pequenos vilarejos, o verdadeiro tesouro da Itália.
Hoje ela realiza roteiros personalizados pelas suas
Verdes Colinas do Piemonte, onde vive.
Sempre pronta à partir, nos guiará pela Itália com paixão através os seus olhos e a sua experiência adquirida nesses anos vivendo na Itália.

Ben arrivato Settembre!
12/09/2020   Turismo
 Postado por:   Alessandra Nardim

 

Adoro o mês de setembro na Italia, porque, traz mudanças, preanuncia o inverno trazendo novas festas, novas cores, iguarias para novas receitas, e nos prepara para novas descobertas.

O mês de setembro, na Italia há tantos significados: retorno ao trabalho, início de aulas e início da vindima (colheita da uva).
Do norte ao sul da Itália o trabalho é intenso pelos vinhedos.
Cada colheita é diferente da anterior a causa do amadurecimento das uvas, acidez e teor alcoólico. Escolher o momento certo para a colheita de uvas é essencial.

É o momento mais esperado; A videira é uma planta que deve ser seguida em todas as suas fases, desde o despertar até o amadurecimento das uvas. A qualquer momento existe o risco de que algum fenômeno meteorológico ou biológico possa comprometer a cultura ou a própria planta. A colheita geralmente ocorre durante as horas mais frescas do dia, mas alguns preferem fazer isso à noite, de modo que o calor não inicia uma série de reações químicas indesejáveis.

E’ tambem um otimo momento para visitar as Vinícolas, e poder descobrir de perto o duro e belo trabalho que está atrás da realização dessa bebida fantástica.

Do norte a sul pela Italia,  è possível encontrar uma vinha à sua espera com iniciativas que transformam a vindima em uma experiência envolvente para os nossos cincos sentidos. Que seja somente um agradável passeio no jardim de um castelo, a um giro em moutain bike, a pé ou, um pic nic entre os vinhedos esse momento è único na Itália.

A Itália é o país com maior diversidade vinícola. Não só o número superior a qualquer outro país de vinhos DOP (denominação de origem protegida) e IGP (indicação de origem protegida) (mais de 520 no total), mas também o fato de que 75% de sua área de cultivaçao (690.000 hectares no total, dos quais 660.000 para uvas viníferas) , ed) é composta pelas 80 vinhas mais cultivadas. Uma enormidade, comparando com pouco menos de 40 em Portugal e pouco mais de 30 na Roménia, seguindo a Itália neste ranking particular, elaborado pela Organização Internacional da Vinha e do Vinho. (fonte-winenews)

Aqui vao algumas dicas:

Onde nasce o vinho Gewürztraminer, em Bolzano, Regiao do Trentino, um giro em Jeep pelos vinhedos para viver uma experiência inesquecível.

Na cidade de Piacenza, Regiao da Lombardia, No Castelo Gropparello, todos os domingos de setembro, as crianças são os protagonistas da Festa da Uva que entre um trekking, bike tour e pic-nic a diversão nao faltarà.

No Piemonte, onde nasce o vinho Barolo, chamado como o rei dos vinhos, è possível descobrir as vinícolas em cima de uma vespa, ou em um giro de balão apreciando a beleza dessas Verdes Colinas, Património Mundial Unesco, da uma vista panorâmica unica.

Do dia 5 de setembro a 11 de outubro de 2020,  o evento “Cantine Aperte in Vendemmia” è uma otima guia para descobrir as Vinicolas em todo o territorio italiano, e poder assim incluir no seu roteiro experiencias ligadas ao vinho.

No Monferrato, entre um pic-nic e um copo de vinho è possível participar da colheita demonstrativa, e conhecer todo o processo de vinificação ou ainda descobrir o percurso sensorial dentro de uma Destilaria de Grappa.

Na Região da Campania, onde se encontra a tão amada cidade de Positano, Sorrento, a festa da vindima è uma atividade para toda a familia.

Na Região de Lazio, a 20 km de Roma, fica a vinícola familiar Donnardea e aqui que comanda são os pequenos.

Descobrir e viver essa experiência faz com que você entre em contato com as pessoas locais, descobre que a riqueza desse país também está nas pessoas que cotidianamente de gerações à gerações produzem vinhos não somente pelo guadagno, mas pelo amor ao próprio território.

“Alessandra, vive na Regiao do Piemonte, na Italia ha mais de 20 anos.
Adquiriu experiência viajando no exterior à trabalho e continua a viajar descobrindo ainda hoje belezas por essa Italia.
Hoje ela realiza roteiros personalizados pelas suas verdes colinas, onde vive.
Sempre pronta à partir, nos guiará pela Itália com paixão através os seus olhos e a sua experiência adquirida esses anos vivendo na Italia.

https://www.verdescolinas.com

 

1