Encontre empresas, produtos e entretenimento


Categoria: Pet e Cia
4 dicas para criar um ambiente agradável para o seu cachorro
19/04/2021   Pet e Cia
 Postado por:   Iara Consoline

Mesmo rodeado de atenção, existem momentos em que o cão pode ficar entediado pela rotina ou por um período sozinho em casa, assim, móveis roídos e alguns comportamentos desagradáveis como choro, latidos e xixi fora do lugar começam a acontecer.

Neste caso, o enriquecimento ambiental é uma boa medida para distrair o peludo, criar um ambiente divertido para o cão em casa é capaz de aumentar a interação do animal com os espaços da casa de forma lúdica, mantendo o pet entretido e estimulado para exercer seus instintos naturais como cheirar, cavar, buscar alimentos, explorar, etc.

Com criatividade e paciência, seu pet terá uma rotina com mais atividades e desta forma terá mais qualidade de vida, engana-se quem pensa que adaptar o ambiente é uma tarefa difícil e complicada, confira as 4 dicas que preparamos para você, com um pouquinho de tempo e criatividade seu cachorro vai ficar menos estressado na sua ausência. Vamos lá?

1. Ofereça brinquedos

Existem brinquedos muito interessantes no mercado, mas alguns também podem ser improvisados em casa, use a criatividade!

Os brinquedos de rechear são bem interativos, pois podem guardar biscoitos e petiscos que os cães devem se esforçar para tentar tirar. Também é válido oferecer bichinhos de pelúcia, de corda ou aqueles que fazem barulho.

 

2. Proponha desafios mentais

Existem brinquedos específicos para estimular mentalmente o pet, mas algumas coisas podem ser improvisadas em casa como: oferecer uma garrafa pet com petiscos dentro, dar um coco verde para que ele possa destruir e ainda, esconder petiscos pelos locais da casa onde o pet passa para que ele tenha que procurar. Outra dica são os brinquedos inteligentes que exigem alguma ação dos animais para oferecer uma recompensa.

 

3. Modifique o ambiente

O mais importante é oferecer diferentes tipos de brinquedos com texturas, cheiros e barulhos variados. Cada animal terá preferência por um tipo, por isso, encontre o que trará maior diversão para o seu peludo.

Outro ponto é que os pets terão maior atração por objetos novos. Se você deixar os todos os objetos sempre espalhados no ambiente em que o cão vive, ele vai perder o interesse por ele. Então, faça sempre um rodízio dos brinquedos, colocando, a cada dia, um diferente. Isso ajuda a deixar o ambiente mais interessante.

 

 4. Ofereça recompensas

Uma forma divertida de estimular o pet é usar brinquedos dispensadores de alimentos, usando parte da refeição diária. Essa dica é da etóloga e especialista em comportamento de cães e gatos Denise Falck. “Isso estimula o seu instinto natural, caçar, se mover para comer. E o estímulo de cair a comida gostosa vai incentivar o pet. Também pode usar outros alimentos, frutas e legumes, com a orientação do veterinário”.

Se preferir você pode colocar a ração dentro de uma garrafa pet com furinhos. Assim, o peludo deve rolar a garrafa até que a ração saia pelos pequenos buracos.

Outros brinquedos como o kong, que não exigem uma grande movimentação é ideal para pets idosos ou que tem limitação na movimentação. “Eles vão tentar retirar o alimento com a língua e isso vai entretendo o animal sem a necessidade de grande movimentação. Isso pode motivá-lo por muito tempo e com o tempo, o tutor pode aumentar a dificuldade com alimentos mais duros, congelando o conteúdo. Agora, se ele desistir no meio do caminho, vale a pena reduzir a dificuldade, pois a ideia é que ele se divirta”, orienta Denise.

Dica extra: é importante pensar bem no petisco que oferecerá ao seu pet, a Fórmula Maracujá da Botica Pets pode ajudar a controlar a ansiedade do pet e também é encontrada em forma de petisco, conheça a Fórmula Maracujá da Botica Pets 

Imagem: <a href='https://br.freepik.com/fotos/cao'>Cão foto criado por master1305 - br.freepik.com</a>

Intoxicação com produtos de limpeza: mantenha seu pet em segurança
26/03/2021   Pet e Cia
 Postado por:   Iara Consoline

 

Os produtos de limpeza podem oferecer riscos para o seu pet, afinal a maioria deles contém ingredientes tóxicos, como o ácido bórico, o peróxido de sódio, a amônia, entre outros. Mas, manter a limpeza da casa e do ambiente em que o seu filho de quatro patas fica é essencial para a saúde e bem-estar de todos os membros da família, para isso, a utilização dos produtos é indispensável.

Mas, com atenção e cuidado, é possível deixar a casa limpa e o pet em segurança, é preciso estar atento constantemente, afinal, até mesmo os produtos mais utilizados na hora da faxina como a cândida e o cloro podem causar intoxicação, com sintomas como vômito, tontura, salivação, entre outros.

Conheça medidas simples que vão te ajudar a manter o seu pet fora de riscos:

Como evitar a intoxicação dos peludos?

A dica é guardar todos os produtos em locais bem fechados para evitar que o pet tenha acesso. Além disso, é recomendado passar água corrente para retirar os resíduos do produto e evitar que o pet lamba, caso esteja armazenada em um local em que o pet tenha acesso.

No caso dos felinos, a orientação é nunca deixar qualquer tipo de produto ao alcance do gato, evitando guardar produtos de limpeza em armários que eles consigam abrir, pois alguns podem derrubar os frascos.

Saiba o que fazer em caso de intoxicação

Em caso de suspeita de intoxicação, a orientação é levar o pet imediatamente ao veterinário. É importante informar ao profissional que fará o atendimento, se possível, o produto ingerido pelo animal. Isso facilitará os primeiros socorros e tratamento (inclusive levando a embalagem ou rótulo). Também é importante o tutor jamais tentar, de forma caseira, induzir o animal ao vômito ou usar outro método de cura, para que seja evitado o agravamento da situação.

Agora, se o produto estiver no corpo do pet, é importante retirar o excesso para evitar maior absorção da pele. Se o cão apresentar tremores ou crises convulsivas, é aconselhável envolvê-lo em uma toalha ou cobertor até chegar na emergência. Na clínica, o veterinário poderá fazer uma lavagem estomacal e a indução ao vômito. Na maioria dos casos, o pet precisará de fluidoterapia (soro) e medicamentos que auxiliem na eliminação da substância.

Fique atento aos cuidados com a limpeza de casa e mantenha seu pet sempre seguro!

Fonte: www.boticapets.com.br

Imagem: freepik.com

 

Alerta: cuidado com as pulgas no verão
01/02/2021   Pet e Cia
 Postado por:   Iara Consoline

No verão, as infestações de pulgas são mais comuns, afinal, em temperaturas mais altas, o tempo desde a eclosão do ovo até que ela se torne adulta é bem mais curto. Assim, é preciso dobrar a atenção e os cuidados com os pets, pois além das desagradáveis coceiras, as pulgas podem oferecer riscos à saúde, como alergia e até verme. Por isso, a equipe da Botica Pets reuniu dicas para te ajudar a combater as pulgas.
Mantenha a calma, aplique as dicas e vamos acabar com este problema:

Onde o meu cão pode pegar pulgas?

Basicamente em qualquer lugar: passeios na rua ou no parque, no petshop, durante o contato com outro pet e até dentro de casa (sim, as pulgas podem vir até a sua casa por meio de sapatos e roupas dos tutores).

Por que é tão difícil controlar as pulgas?

Uma única pulga é capaz de colocar mais de 50 ovos por dia, o que torna o controle ainda mais complicado. Esses ovos podem ficar por muito tempo em frestas do piso, tapetes, sofás, na casinha do pet e, quando estiverem prontos, eclodem formando novas pulgas. Para se ter uma ideia, um ovo pode eclodir no prazo de dias ou até meses.

Perigo da picada

A coceira não é o único problema causado pelas pulgas. Alergias mais graves nos cães podem ser desenvolvidas devido a estes ectoparasitas. Entre os sinais comuns estão: perda de pelo, descamação, lesões na pele, além da coceira muito intensa. Essas alergias são resultado de uma reação imunológica causada pela saliva da pulga (que contém substâncias alergênicas) ao picar o pet.

Outro problema causado pela pulga é a transmissão de um verme. Quando um cão ingere uma pulga, ao lamber-se, por exemplo, pode desenvolver o Dipylidium caninum, verme que se aloja no sistema digestivo. Como uma tênia, este parasita pode causar coceira anal nos cães, diarreias, perda de peso e constipação. Além disso, podem acometer humanos sendo, portanto, uma zoonose.

Tratamento e cuidados preventivos

Para tratar o pet é preciso pensar não somente nos medicamentos pulicidas (que matam as pulgas) mas, também, nos cuidados para tratar a infestação no ambiente em que o pet vive. Na hora de escolher o melhor produto para o pet, solicite a orientação do médico veterinário.

No mercado, você poderá encontrar uma série de produtos: sprays, pipetas, comprimidos e coleiras. Por isso, a orientação do especialista é fundamental.

Quando controlada a infestação no pet e no ambiente, será importante pensar também na prevenção. Assim, o uso do medicamento contra pulgas e controle do ambiente (como aplicação de produtos e uso do aspirador) deverão ser seguidos de acordo com a indicação do fabricante ou do veterinário.

Como proteger o pet de forma natural?

Muitos tutores já sabem a importância de proteger os pets de doenças. A prevenção ainda é a melhor forma de cuidar do seu peludo! Para isso, você pode contar com terapias naturais para todas as doenças, que têm o papel de aumentar a proteção do organismo contra parasitas oportunistas!

Um exemplo são os suplementos feitos com nutrientes que têm o poder de turbinar a imunidade do pet e ajudam a reduzir os riscos de vários problemas (obesidade, diabetes, doenças cardiovasculares, etc) e atuar diretamente no sistema imunológico.

 Assim, podem evitar a baixa imunidade, que ocorre quando o sistema de defesa do organismo não está conseguindo proteger o corpo contra agressões externas (bactérias, fungos, protozoários, vírus) e acaba não combatendo enfermidades adequadamente.

Conheça a Fórmula Equilíbrio da Botica Pets e turbine a imunidade do seu pet.

 

Imagem: freepik.com

 

7 cuidados para aproveitar o verão com seu melhor amigo
16/12/2020   Pet e Cia
 Postado por:   Iara Consoline

O verão é a época mais agradável para curtir os pets e é importante incluí-los nas suas atividades preferidas: caminhadas, viagens, passeios e até brincadeiras em casa.

Mas, as altas temperaturas podem prejudicar a saúde do seu peludo, então, preparamos algumas dicas para que você aproveite, sem colocar a saúde do seu pet em risco.

Lembre-se, da mesma forma que tomamos precauções para evitar problemas nos expondo ao sol, existem cuidados importantes para que você e seu melhor amigo curtam juntos.

Atente-se às dicas enviadas pelas veterinárias da Botica Pets e aproveite o verão ;)

 Atenção ao pet no verão: em quais peludos devemos ficar de olho?

Todos os cães merecem cuidados especiais no verão. No entanto, os idosos e os cães braquicefálicos (de focinho “achatado” como Pug, Shih Tzu, Buldogue, etc.) precisam de atenção especial pois sofrem muito com o calor.

Os braquicefálicos, por possuírem o focinho de diferente conformidade, têm mais dificuldade para respirar, comprometendo a liberação de calor, que nos cães é feita principalmente pela respiração. Isso poderá causar o aumento da temperatura corporal que, se não controlada, pode acabar em desidratação, paradas respiratórias, desmaios, convulsões e outros.

Já os cães idosos, por serem mais sensíveis, podem sofrer também com o aumento da temperatura corporal. Por isso, é importante ficar de olho.

Pode dar banho?

Por mais que os pets sejam considerados filhos por muitos donos, suas necessidades higiênicas são bem diferentes das nossas. Banhos em excesso podem sim fazer mal aos cães.

Entre os problemas está a infecção de pele por fungos. Veja a frequência você pode dar banho no seu pet:

Animais de pelo longo: banhos podem ser dados a cada 15 dias durante o ano todo.

Animais de pelo curto: banhos podem ser dados a cada 15 dias no verão.

Filhotes: o primeiro banho do pet deve ocorrer em casa. Banhos em pet shops somente depois que o filhote receber todas as vacinas.

A frequência de banhos pode ser alterada de acordo com a indicação do veterinário de cada pet também.

Hidratação do peludo

É importante incentivar que o peludo beba bastante água, pois o calor pode deixar o pet desidratado. Uma dica é espalhar potes de água por vários lugares da casa e trocar a água mais de uma vez ao dia, mantendo-a sempre limpa e fresca.

Os bebedouros que funcionam como “fontes” também são opções interessantes, pois fazem a água circular, mantendo-a sempre limpinha para o peludo. Você também pode encher uma garrafa pet de água e congelar. Depois, retirar do plástico e oferecer ao cão. Além de servir de brincadeira, o gelo será uma forma do cachorro se hidratar.

Protetor solar

Os pets também precisam usar protetor solar para evitar o aparecimento de doenças causadas pela exposição excessiva ao sol, como o câncer de pele.

O produto deve ser específico para cães. Para uma melhor proteção, aplique o protetor 30 minutos antes do peludo sair ao sol em partes do corpo que não têm pelo como no focinho, nas orelhas, na barriga e nas patas. Não se esqueça de reaplicar a cada duas horas. Isso vale para os passeios na rua, na praia e até quando o peludo está relaxando no quintal.

Passeios

Tente tirar os seus sapatos ao meio dia e pisar no asfalto. Tá quente? Se você pode queimar os pés na rua, o pet também pode sofrer com isso. Por isso, o ideal é programar os passeios para o início da manhã e/ou final da tarde (antes das 10 horas e após às 18 horas). O calor, nestes horários, é menor.

Além disso, por não serem capazes de transpirar como nós, é bom evitar que a temperatura do corpo suba muito, causando mal-estar e a hipertermia, que é a elevação da temperatura corporal.

Se o cachorro ficar muito ofegante, para evitar o aquecimento do corpo, borrife água no dorso e nas patinhas. Isso ajudará a resfriar o animal. Caso ele fique muito ofegante, interrompa o passeio e leve-o para casa.

Cuidado com os parasitas

As pulgas e carrapatos fazem a festa no verão. O aumento da umidade nesta época do ano ajuda a proliferar insetos e outros parasitas que podem incomodar o seu pet e causar doenças. Por isso, garanta que seu cão esteja adequadamente protegido contra pulgas e carrapatos (antipulgas e carrapaticidas). O uso de repelentes próprios para pets também é indicado para evitar picadas de mosquitos.

Tosar ou não tosar?

pelo do animal tem uma finalidade importante para a regulação da temperatura corporal, proteção da pele e até para o reconhecimento e a reprodução da espécie.

A tosa higiênica, que é feita na barriga, patas e regiões “íntimas”, pode ser uma boa opção para dar uma refrescada nos cães. Outra alternativa é uma tosa completa com uma lâmina mais baixa, para que possam se sentir mais confortáveis nessa estação.

Tutores de pets com dermatites devem evitar a tosa, para não ocorrer a piora do quadro. Já algumas raças como Pastor Shetland, Border Collie, São Bernardo, Samoieda, Bernese Montanhês e Husky Siberiano possuem a chamada “pelagem dupla”. Trata-se de uma subcamada de pelo mais curta, próxima ao corpo, localizada abaixo da camada de pelos fofa que é visível.

Essas duas pelagens têm uma função especial: combinadas, criam uma espécie de camada de ar que protegem o animal do calor e do frio extremos.  Esta proteção promove a manutenção térmica e, por isso, os tutores destes animais devem evitar tosá-los por completo. Por isso, sempre peça orientação do veterinário antes de decidir pela tosa completa

Check-up antes e após as férias

Vai viajar com pet? Então saiba que a visita ao vet antes de ir viajar é fundamental, para que o peludo possa estar protegido das possíveis doenças existentes no local. Também é importante uma avaliação clínica e laboratorial do animal semanas após ter retornado de viagem. Ainda mais se o destino foi a algum foco de determinada doença. Assim, nossos animais estão sujeitos à diversas doenças que podem variar sua prevalência conforme a localização geográfica.

 

Siga as dicas e aproveite o verão com seu melhor amigo :)

 

 

 

Tudo o que você precisa saber sobre terapias naturais e medicina veterinária integrativa
09/12/2020   Pet e Cia
 Postado por:   Iara Consoline

Você sabia que o estilo de vida e fatores ambientais podem influenciar a saúde do seu cão ou gato?  Estas informações compõem a análise da medicina veterinária integrativa que vem ganhando cada vez mais espaço, pois seu foco está em tratar a saúde do seu pet como um todo e não apenas corrigir os sintomas.

A abordagem integrativa permite o tratamento por meio das terapias naturais, que melhoram a saúde do animal, aumentando o bem-estar e a qualidade de vida, nos planos físico, mental e emocional, na medicina veterinária integrativa são analisadas as interações entre genética, fatores ambientais e estilo de vida que influenciam a saúde do seu peludo a longo prazo.

Conheça as terapias naturais e comece a mudar os hábitos do seu pet para que ele tenha ainda mais qualidade de vida:

# 1 – Alimentação natural

É uma dieta caseira balanceada que, se elaborada corretamente, atende aos requerimentos nutricionais de cães e gatos.

Segundo o site Cachorro Verde, trata-se de uma dieta com ótimos níveis de proteína animal de excelente qualidade, gorduras saudáveis, carboidratos de baixo a moderado índice glicêmico. Além disso é enriquecida com legumes, verduras e hortaliças.

AN cozida é uma dieta balanceada e completa, indicada, portanto, para animais de qualquer idade (desde que já tenham sido desmamados) e qualquer raça.

Já os pets portadores de quadros crônicos requererem dietas especiais, com restrições e adições que auxiliam no controle da doença.

Benefícios: tratamento adjuvante para diversas doenças crônicas como problemas de pele, renais, cardíacos, obesidade, diabetes e muito bem-estar para pets saudáveis.

# 2 – Nutracêuticos

Possuem, de forma concentrada, compostos bioativos de alimentos comuns no nosso dia a dia. A qualidade terapêutica do alimento funcional é potencializada quando concentrada em suplementos, pois as doses excedem a capacidade que qualquer pet poderia consumir se comesse apenas o alimento.

Em cada suplemento, são associados diversos ingredientes para que um ajude e complemente os benefícios do outro. Estes produtos são formulados por veterinários, seguros para os pets e totalmente naturais!

Benefícios: melhora do trato digestivo, da pele e pelagem, aumento da imunidade, da força e do vigor. Também ajuda no equilíbrio do organismo como um todo, trazendo saúde e bem-estar para cães e gatos.

É essencial para o tratamento de doenças crônicas como câncer, doença renal, obesidade, diabetes, disfunção cognitiva e até problemas comportamentais como ansiedade de separação e fobia a barulhos.

Conheça os nutracêuticos da Botica Pets para cães e gatos, em forma de comprimidos, pó ou em forma de petisco (treats) para cães: http://blog.boticapets.com.br/alimentacao/6-coisas-sobre-suplementos-da-botica-pets/

Você pode comprar aqui: https://www.boticapets.com.br/

# 3 – Ozonioterapia

Utiliza a aplicação da mistura de gases como o oxigênio e o ozônio que, em baixas concentrações, induz a produção de substâncias antioxidantes pelo próprio organismo, ou seja, estimula a produção de uma resposta de proteção do organismo.

O gás pode ser aplicado por diversas vias (retal, endovenosa, intramuscular, intra-articular e subcutânea). Não há dor e uma sessão dura, em média, 30 minutos.

Benefícios: tratamento de feridas de pele, doenças infecciosas, ortopédicas, neurológicas, imunológicas, além de servir como tratamento complementar para doença renal e câncer.

# 4 – Acupuntura

É a parte da Medicina Tradicional Chinesa e tem mais de 3 mil anos de existência. Para pets tem sido usada cada vez mais para problemas ortopédicos e demais doenças de causas inflamatórias e que causam dores crônicas.

Por meio da agulha em um ponto do corpo, ocorrem estímulos que oferecem analgesia e efeitos contra a inflamação.

Benefícios: melhora e cura de problemas neurológicos, ortopédicos, musculares e complementar para outras doenças, trazendo equilíbrio para o animal.

# 5 – Fitoterapia

É uma palavra derivada do grego “Phytos therapeia” e significa “a cura pelas plantas”, ou seja, e? a cie?ncia que utiliza as plantas medicinais para o tratamento e prevenc?a?o de va?rias doenc?as.

É indicada sob formas de chás, óleos, cremes, compressas, extratos e outros.

Benefícios: problemas digestivos, de pele, comportamentais, e complementar para doenças crônicas, como o câncer.

# 6 – Hidroterapia

A terapia pela água é usada cada vez mais na reabilitação de animais. É uma parte da fisioterapia. Com o desenvolvimento de exercícios na água, de acordo com a idade e condição física do pet. Assim, pode incluir natação e esteira aquática.

Benefícios: tratamento de pets obesos, com problemas ortopédicos ou neurológicos.

# 7 – Terapias com células-tronco

É baseada na capacidade de multiplicação das células-tronco, que podem ser obtidas em diversos tipos de tecidos: como gordura, medula óssea, polpa dentária, cordão umbilical.

Benefícios: ação reparadora, moduladora do sistema imune, com efeito anti-inflamatório para tratamento de doenças crônicas (renal e hepática). Também serve para a reparação dos tecidos, lesões do sistema osteoarticular e nervoso (sequelas da cinomose, por exemplo).

Mamãe e filhotes: cuidados antes e depois do parto
10/11/2020   Pet e Cia
 Postado por:   Iara Consoline

 

Ter o privilégio de estar em contato com uma linda ninhada de cães é encantador, mas, é preciso ter atenção aos cuidados necessários para garantir que a mamãe e a ninhada estejam saudáveis, estes cuidados devem começar bem antes do parto e continuar com o nascimento dos filhotes.

Assim, preparamos dicas que servirão para qualquer mamãe e bebê, mas, é preciso consultar um especialista, afinal, este post não resume todas as necessidades de cada fase e cada pet precisa de cuidados específicos durante este período.

Vamos às dicas:

Comendo por uma ninhada inteira

É essencial que a mamãe após o parto receba uma dieta balanceada com proteínas, gorduras, fibras, vitaminas e minerais. Se você já mudou a ração dela para a do tipo filhote com a orientação de um veterinário, está certinho!

Agora, as mamães que recebem alimentação natural (AN) devem continuar a comer uma quantidade maior de alimentos nutritivos. Precisam ser evitados alimentos de difícil digestão grãos, biscoitos, pães, bolos – mesmo aqueles que são próprios para cães.

O excesso de peso do animal é um fator de atenção. Isso porque a obesidade dificulta a respiração da cadela, além de baixar a imunidade. Para oferecer a melhor dieta natural para o seu pet, procure um veterinário especializado em nutrição.

Cuidados com a mamãe após o parto

É essencial o acompanhamento do veterinário durante a gestação, mas também no pós-parto. É preciso verificar o estado de saúde da mamãe para saber se ela se recuperou bem após o nascimento dos filhotes.

Não deixe de verificar se ela está amamentando a ninhada. Pois nas primeiras horas de vida, o filhote necessita ingerir o colostro (rico em anticorpos) por meio da amamentação. Assim, os pequenos poderão adquirir defesas contra doenças enquanto ainda não são capazes de produzir as suas próprias.

Forneça água e alimento para a mamãe! Quando são muito protetoras, algumas cadelas podem não querer sair de perto da ninhada. Por isso, é importante colocar a vasilha de água e comida perto dela e verificar se ela está consumindo. Se ela se recusar a comer ou beber água é preciso consultar um veterinário.

Amamentação dos filhotes

Dos 35 a 45 dias de vida da ninhada é o tempo ideal para manter a amamentação dos filhotes, desde que a mãe tenha condições de amamentar. Até lá, os peludos devem consumir apenas o leite materno que já possui os nutrientes necessários para um crescimento saudável.

O desmame é um processo natural pelo qual os cães passam quando estão com um mês ou pouco mais de vida. Neste período eles podem receber papinhas, ainda intercaladas com o leite. Para ajudar o pet a compreender que o que está sendo servido é para comer e não brincar, é preciso deixar ele cheirar e lamber antes de oferecer.

Alimentação dos filhotes

Quando passam a comer alimento sólidos, os filhotes devem receber a mesma ração até os 12 ou 14 meses de idade. Essa é a época em que o pet chega à idade adulta, passando a receber a ração adequada para esta etapa.

Os filhotes precisam que sua alimentação seja cuidada com atenção. O ideal é que o peso do pequeno aumente cerca de 25% nos primeiros seis meses de vida. Isso deve corresponder a quase metade do seu peso quando adulto. Por isso, a quantidade apropriada de ração é essencial para o crescimento de um cão saudável. Para isso, conte com a orientação do veterinário.

Cuidados com a mamãe e os filhotes

Reforce o organismo materno para este período tão importante. Aqui vai uma dica especial: ingredientes naturais podem beneficiar a mamãe, reforçando suas defesas naturais, o bom estado nutricional e facilitando a produção do leite para amamentar os pequenos.

A Botica Pets oferece cuidados naturais para este momento: o suplemento Gestante & Filhote. Trata-se de um produto com valor terapêutico, além de suas qualidades nutricionais. É indicado para a primeira metade da gestação até o período de lactação das fêmeas e, também, durante a infância até idade adulta dos filhotes.

Entre os benefícios do produto estão: a melhora a resposta orgânica frente às doenças infecciosas da mamãe, a ação de antioxidante natural e estimulante para que a gestante ou lactante ofereça os nutrientes essenciais para uma boa formação óssea e de tecidos cartilaginosos dos filhotes, sem a exaustão do seu organismo.

 

Conheça mais: https://www.boticapets.com.br/formula-gestante-e-filhote

 

1

Publicidade
Siga-nos no Instagram

Empresas Recentes