Encontre empresas, produtos e entretenimento


Você sente Raiva
  Data de publicação: 26/04/2020     Categoria(s): Saúde, Beleza & Bem-Estar
 Postado por:   QRevista

Alguma vez você já perdeu a cabeça, xingou, gritou, brigou, explodiu num momento de fúria, seja com palavras ou com atitudes? Claro que todos nós já passamos por situações semelhantes a essas em algum momento de nossas vidas, não é? 

Geralmente depois desse ataque de nervosismo, costumam aparecer sentimentos variados e logo pensamos “Mandei Bem!”, “Justiça feita!” ou também podemos nos arrepender do ocorrido. Quando questionados, geralmente dizemos ou justificamos com o argumento de que aquele foi um momento de raiva. Mas não é bem assim!

Em pequenas doses, o sentimento de raiva, por exemplo, pode até ser saudável - servindo de impulso para ações ou motivações de mudanças. No entanto, o problema começa quando ela extrapola o bom senso, passa a prejudicar o bem-estar físico e o convívio social.

Então, o que seria essa tal raiva? O que é o sentimento de raiva? De um modo geral, a raiva define-se como um sentimento de protesto, insegurança, timidez ou frustração, contra alguém ou alguma coisa, que se exterioriza quando o ego se sente ferido ou ameaçado. A intensidade da raiva, ou a sua ausência, difere entre as pessoas.

A raiva ou rancor costumam ser sentimentos muito fortes, que naquele momento consome nossa energia de várias formas. Além disso, é um sentimento que aparece, mas que está em cima de muitos sentimentos ocultos (tristeza, decepção, irritação, injustiça, ameaça, mentira, perdas, prejuízos e outros), e que são desencadeadores daquela explosão.

No momento de raiva ficamos surdos, irracionais, agressivos, e geralmente nos sentimos ameaçados de alguma forma.

Se fizermos uma análise fria e honesta sobre o que nos deixou com raiva, encontraremos uma profunda tristeza por alguma perda, expectativa que não se concretizou, uma rejeição, uma mágoa ou outros motivos que nos levaram a essa tristeza angustiante.

Muitos dizem que é melhor extravasar a raiva para não ter um colapso, ou coisa do tipo, mas será mesmo que é prudente, saudável e sábio tal atitude? A descarga de adrenalina no organismo é muito grande, e com isso acontece o aumento da pressão arterial, aumento da frequência cardíaca, tonturas, cansaço físico, tremores, inquietação, falta de memória, insônia e outros, podendo a ser fatais após um infarto ou acidente vascular cerebral (AVC).

E se nós aprendêssemos o contar até 10, pedir perdão, praticar a compaixão, não responder (nem e-mails, WhatsApp, telefones e outros) na hora da raiva, esperar antes de falar, agir sem impulsividade, esperar, refletir antes de agir? 

Já dizia Shakespeare “Todos têm o direito de ter raiva, mas não tem o direito de ser cruel.” A Raiva pode gerar alívio momentâneo, mas depois pode trazer um profundo sentimento de culpa, arrependimento e depressão. Então, raiva? Para que sentir raiva? 

 PARA SABER MAIS: 
Centro de Geriatria & Psicossomática Itatiba
Dr. Carlos Alberto Santiago - CRM 83759
Especialista em Geriatria e Psicossomática

Rua Ana Abreu, N: 77 - Jardim São José
Itatiba/SP - CEP 13250-536

Tels.: (11) 4487-1627 / 9 9501-0990

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência da Q Revista doando qualquer valor. Acesse:  https://apoia.se/qrevista 

 


Galeria de Fotos